PINACOTECA

Acervo

Na década de 20, o Gabinete já é uma tradição em Jundiaí. Quadros são doados para a entidade, e a partir do ano de 1924, por decisão da diretoria da época, inicia-se um processo de aquisição de várias obras. Em 1943, surge a iniciativa da criação de uma pinacoteca e de museu, gerando uma nova onda de doações, que acabam trazendo para o Gabinete, com o passar dos anos, quadros importantes e de valor cultural e até financeiro – Rebolo, Darcy Penteado, Flávio de Carvalho, .Diogénes Paes, Alneida Jr., Tanaka, Sanson, etc – como também encontramos obras anônimas e tantas outras de artistas locais.

Salão de Belas Artes

Em 1950, realiza-se no Gabinete o I Salão de Belas Artes de Jundiaí, que conta com o apoio da Prefeitura Municipal e é em verdade o primeiro evento desta envergadura na cidade, reunindo artistas da região e convidados da Capital. O salão repete-se em vários anos, até que em sua quinta edição, em 1968, o evento é transferido para o Parque Municipal “Comendador Antonio Carbonari”, onde passam-se a chamar EJA – Encontro Jundiaiense de Arte.

Investir em conservação e catalogação

Hoje, o Gabinete conta com 102 quadros, entre óleos sobre tela, gravuras, trabalhos em papel e madeira, mas infelizmente, boa parte encontra-se em problemático estado de conservação, necessitando muitos de uma restauração apurada e técnica, além de uma óbvia avaliação por especialista da área.
Some-se à questão da conservação, um problema quanto à exposição permanente das telas, pois o local onde se encontra o Gabinete de Leitura é vizinho a um terminal de ônibus, fazendo com que a poluição afete diária e drasticamente os quadros.
A saída para a Pinacoteca do Gabinete é a busca de investimentos via iniciativa privada e leis de incentivo fiscal, dando condições para que a entidade possa contar a exposição permanente de seu acervo.

RESUMO

DAS PRINCIPAIS 

OBRAS

DA PINACOTECA